Legendagem e Tradução Audiovisual

Acontece em todos os âmbitos. Há uns anos os adultos começaram a pintar como quando eram crianças pela moda dos mandalas. A consequência: uma produção exorbitante de lápis de cor, com a que as empresas do sector não contavam. Na tradução audiovisual, o nosso mandala particular foi a televisão à carta. Cada vez cia-se mais conteúdo audiovisual, porque o espectador o demanda. A maior parte desse conteúdo (não todo) chega ao espectador através da dobragem, e também da legendagem.

Mas que é a legendagem?

A legendagem é uma técnica de tradução audiovisual. Esta técnica facilita-lhe o espectador a compreensão de um texto oral, em versão original, mediante a sua tradução escrita. É dizer, a tradução aparece na tela acompanhando à imagem e também ao áudio original. Portanto, trata-se de uma técnica subordinada a umas características específicas, pelo que tem que seguir umas normas próprias.

Conceitos técnicos

A legendagem deve aparecer, na medida do possível, centrada na parte inferior da tela. Deve ter no máximo duas linhas e não superar os 70 caracteres (35 caracteres por linha, contando também espaços). O tempo que permanece na tela também está fixado. Não deve superar os 6 segundos, nem ser inferior a 1 segundo, tendo em conta a densidade do texto. Por último, o texto deve aparecer ao mesmo tempo que o áudio. Para isso é necessário sincronizar a legendagem, e que apareça e desapareça da forma mais natural possível.

Conteúdo  textual

Ante tudo, a legendagem deve respeitar as normas gerais da linguagem. A subordinação da que falamos antes não pode forçar um conteúdo demasiado esquemático, ou que vulnere a correcção linguística. Além disso, na legendagem devemos usar bem a letra cursiva (vozes fora de plano, canções, dispositivos), as maiúsculas (cartazes, títulos, texto escrito que aparece na tela), o guião curto para os diálogos, e atender a muitas outras convenções.

Legendagem na actualidade

O espectador cada vez consume mais televisão à carta, e as grandes competidoras respondem lançando mais achas para a fogueira. Isto traduz-se num maior volume de trabalho para os profissionais da legendagem, mas também em prazos de trabalho mais curtos. É muito frequente a subcontratação, de forma que entre o tradutor dos subtítulos e o canal existem muitos intermediários. Não há muito, HBO chegou a utilizar os subtítulos de um aficionado que sobe as suas traduções a portais piratas. O canal chegou mesmo a publicar a alcunha do aficionado no final do episódio. Trata-se de um erro muito grave nessa cadeia de intermediários, onde provavelmente se tratou de cumprir uns prazos abusivos, ou se calhar simplesmente se tentou tirar mais benefício. O caso é que segue sendo necessário, também neste sector, inculcar a ideia da necessidade de contratar a um bom profissional.

Quem pode necessitar a legendagem?

A legendagem não está relegada unicamente aos contidos audiovisuais aos que temos acesso através da televisão, ou às películas de cinema independente que vamos ver obrigados para impressionar ao nosso interesse romântico. É muito comum, especialmente na actualidade, o conteúdo audiovisual que se gera com um intuito publicitário. Por exemplo, videos promocionais de apresentação de empresas, que se creiam num idioma em concreto, aos que se lhes acrescentam os subtítulos necessários para que o conteúdo chegue a todos os recantos do mundo.

É óbvio que é importante que estes serviços se ponham em mãos de um profissional. É uma fantástica ideia desenvolver um vídeo promocional da nossa empresa, no que exponhamos os nossos objectivos e o que podemos fazer pelos nossos clientes. Também o é traduzir e legendar esse vídeo para que mais clientes possam aceder ao nosso produto. É uma ideia terrível confiar o mercado internacional ao nosso «cunhado Luís», que se maneja com a computadora e passou um ano de Erasmus em Reino Unido. Evidentemente, a qualidade profissional não se alcança poupando meios. Se apresentamos a nossa empresa aos nossos clientes potenciais com um trabalho medíocre, vamos deteriorar a imagem da nossa companhia, em lugar de potenciá-la. Por isso mesmo, do mesmo modo que em qualquer outro campo da tradução, é imprescindível pôr o nosso trabalho em mãos de um profissional com experiência.

Sobre Antonio Leal Fernández

Graduate degree in Translation and Interpretation from Universidade de Vigo (2013). Translator and proofreader in the German and English to Spanish combinations.

Você também pode gostar de